4 de janeiro de 2018

CEU Cidade Dutra irá receber obras de Arte de pessoas com Deficiência Intelectual a partir do dia 23 de janeiro

  A mostra itinerante foi produzida por participantes de projeto organizado pelo Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural (IOK)

O Centro Educacional Unificado (CEU), equipamento público na zona sul de São Paulo, vai receber a sexta etapa da “Expo 21 – A Era da Inclusão”,  de 23 à 31 de janeiro. O projeto tem por objetivo valorizar a produção artística de pessoas com deficiência intelectual, exibir o seu trabalho e dar maiores condições de acesso aos bens culturais, às oportunidades de superação de sua situação de exclusão, bem como a formação de valores positivos de participação na vida social.

A mostra que já percorreu outras instituições da cidade, prevê sete exposições Itinerantes mais uma exposição final com obras de Arte feitas por participantes com Deficiência Intelectual, do Programa “Pintou a Síndrome do Respeito”, do Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural (IOK).

“Nossa intenção é educar a emoção através da Arte, promover jovens e adultos pensadores e questionadores, expandindo os horizontes da inteligência. Pessoas que têm acesso aos bens culturais são determinadas, criativas e vivem melhores em sociedade”, destaca Olga Kos, vice-presidente do IOK.

O Instituto Olga Kos acredita na inclusão intelectual, realizando oficinas de arte, dança e esportes e incentivando as produções artísticas de seus participantes por meio de eventos e exposições. A entidade atende cerca de 3.500 pessoas com deficiência intelectual e sem deficiência, que se encontram em situação de vulnerabilidade social e moram em regiões próximas aos locais onde as oficinas são realizadas.

Assim como aconteceu nas outras etapas do projeto,  três novas obras foram escolhidas para compor a exposição final que será realizada na semana do Dia Internacional da Síndrome de Down, celebrado em 21/3/2018. O nome EXPO 21 é uma alusão ao terceiro cromossomo que se liga ao par 21 do código genético e dá origem à Síndrome de Down.

O projeto é patrocinado pelo Banco Toyota, Casa Tognini e Bradesco Seguros por meio da Lei Rouanet, que permite a cidadãos (pessoa física) e empresas (pessoa jurídica) aplicarem parte do Imposto de Renda devido em ações culturais. Assim, além de ter benefícios fiscais sobre o valor do incentivo, esses apoiadores fortalecem iniciativas culturais que não se enquadram em programas do Ministério da Cultura (MinC). Depois do CEU Cidade Dutra será a vez da Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha receber a sétima etapa, em fevereiro.